Header Ads

Seo Services

Fiscalização de Hortolândia lacra unidade da Havan


Loja realizava atendimento presencial, inclusive com provadores de roupa em funcionamento


A unidade da loja Havan de Hortolândia foi lacrada pela Prefeitura da cidade na manhã de ontem. A fiscalização constatou atendimento presencial no estabelecimento, inclusive com clientes experimentando roupas, o que é proibido na fase 1 (vermelha) do Plano São Paulo de retomada das atividades econômicas. A loja já havia sido notificada pela Administração em outras visitas para se adequar. 
Por não ser considerado essencial, a loja de departamentos — comercializa roupas, eletrodomésticos e outros — e só poderia funcionar pelos sistemas walk-thru (cliente vai a pé e retira as mercadorias do lado de fora) e drive-thru. Entretanto, a determinação não foi atendida. “Para a reabertura, a loja deverá realizar todas as adequações necessárias e, posteriormente, entrar em contato com o comitê que, por sua vez, analisará as mudanças e se manifestará quanto à possibilidade de retomada das atividades”, informou a Prefeitura de Hortolândia.
Pelo descumprimento da lei, a Havan está sujeita ao pagamento de multa, que pode variar de R$ 276 a R$ 276 mil. O período para recurso é de dez dias. Na relação de unidades disponíveis no site da Havan, a loja de Hortolândia, localizada na Avenida da Emancipação, consta como “fechada para compras”.
O Correio Popular entrou em contato com a assessoria de imprensa da loja para obter um posicionamento, mas até o fechamento desta edição não houve retorno. Em nota oficial, a Havan disse que a empresa não irá se manifestar sobre o ocorrido.
Fiscalização
Em nota, o Comitê Municipal de Prevenção e Enfrentamento do Coronavírus de Hortolândia informou ontem que o trabalho de fiscalização é realizado na cidade todos os dias, com equipes nos períodos da manhã, tarde e noite, por toda a cidade. Ainda conforme o comitê, é passada orientação à população, aos comerciantes e empresários para que adotarem medidas sanitárias de higiene.
“Estes têm se mostrado colaborativos, adequando e cumprindo as exigências, de acordo com as determinações do Governo do Estado, apontadas no Plano São Paulo de retomada consciente, e do Decreto Municipal nº 4.494, de 5 de julho de 2020”, frisou.
Ainda segundo o Comitê, são realizadas diversas ações, inclusive na distribuição de máscaras e dispersão de aglomerações, para evitar a disseminação da Covid-19. As multas só são aplicadas, segundo o órgão, quando há necessidade. Até ontem, mais de três mil estabelecimentos comerciais essenciais e não essenciais já foram fiscalizados e orientados, totalizando quatro lacrações e 94 interdições.

Fonte: Correio

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.