Header Ads

Seo Services

Mulher atira em duas pessoas dentro do Hospital Ouro Verde, em Campinas

Homem baleado de raspão após mulher atirar contra ex de
 companheiro em hospital de Campinas (Foto: Reprodução G1)
Mulher foi até a unidade para socorrer o marido, que havia sido baleado pelo sogro, segundo a Polícia Civil. Suspeita de atirar dentro do hospital seria amante do homem, e baleou outra pessoa que aguardava atendimento.
Uma mulher ficou ferida após ser baleada no pronto-socorro do Hospital Ouro Verde, em Campinas (SP), na madrugada deste domingo (17). De acordo com o boletim de ocorrência, ela foi até a unidade para socorrer o marido, também vítima de disparo de arma de fogo após uma discussão familiar. A suspeita de atirar dentro do hospital seria amante do rapaz que estava sendo socorrido.

Segundo o registro da Polícia Civil, foram feitos cinco disparos. Três atingiram o tórax e o abdome da esposa do paciente e dois, a parede do hospital. A ocorrência foi registrada na 2ª Delegacia Seccional de Campinas como homicídio simples tentado. Ninguém foi preso.

No entanto, um outro homem que acompanhava uma pessoa, e não tinha relação com os envolvidos no crime, acabou sendo atingido de raspão. Ele não sofreu ferimentos graves.A Prefeitura de Campinas informou, por telefone, ao G1 que a diretoria do Hospital Ouro Verde está avaliando o que aconteceu para verificar se houve alguma falha na segurança.

O presidente do Hospital Municipal Doutor Mário Gatti, Marcos Pimenta, que também é responsável pelo Ouro Verde, disse que pediu para o secretário de Segurança do município colocar uma viatura da Guarda Municipal na unidade durante este domingo para reforçar o monitoramento.

Ainda de acordo com a administração, o homem que já chegou ao hospital baleado e a esposa dele foram internados. A Prefeitura disse que o hospital não autorizou divulgar o estado de saúde das vítimas.Hospital em crise
O Hospital Ouro Verde passa pela pior crise de sua história. Em novembro, o Ministério Público deflagrou uma operação para investigar desvio de R$ 4,5 milhões na unidade. Seis pessoas foram presas e o prefeito Jonas Donizette (PSB), além do secretário de Assuntos Jurídicos, Sílvio Bernardin, e o líder do governo na Câmara, Marcos Bernardelli (PSDB), são investigados.

A Organização Social (OS) Vitale, que administrava o local, é a principal suspeita e não é mais responsável pela gestão. Após a saída da OS, a Prefeitura iniciou um processo de intervenção na unidade.

Fonte G1

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.